TEOLOGIA EXPLICA DEUS?

POR DANIEL SANTOS "Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus ju...

POR DANIEL SANTOS


"Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!" Romanos 11:33

Dizem-nos que Cristo morreu por nós, que sua morte nos lavou de nossos pecados e que morrendo, ele destruiu a própria morte. Essa é a fórmula. Esse é o cristianismo. E nisso que acreditamos. A meu ver, todas as teorias que construímos para explicar como a morte de Cristo operou tudo isso são perfeitamente dispensáveis: meros esquemas ou diagramas que podem ser deixados de lado quando não nos ajudam e que, mesmo quando são úteis, não devem ser tomados pela própria realidade. Não obstante, algumas teorias merecem um exame mais detido.

Acredito que esta máxima de Lewis seja o ponto de vista defendido por todo teólogo convertido; inclusive, é o que Paulo está aludindo em seu salmo.
Seria possível afirmar que a teologia explica Deus?

Todos nós estamos cansados de ouvir e pesquisar o valor etimológico do termo Theologia; serei sucinto em minha exposição; não os cansarei.

Vasculhando os textos gregos, iniciando com Arístocles, (Platão) ele nos apresenta a teologia como um diálogo acerca de Deus; Aristóteles por sua vez ousadamente chama a sua obra "Metafísica" de teologia, convicto que ao estudar a causa primária, estava ele "teologando". O estóico Cleantes tinha a teologia como uma das partes da filosofia... A lista é imensa, os pontos são inúmeros.

Pois bem, esta doxologia paulina prima pela exaltação do Deus Trino, e qualquer leitor piedoso confessa que os textos (oriundos do Espírito Santo) de Paulo são célebres tratados teológicos, suas digressões são dignas de um erudito habilidoso...

É inadmissível um cristão rejeitar o estudo teológico, como aceitar um cristão que não conhece, ou não deseja conhecer em minúcias a história de seu Mestre?

No limite da demência vamos mostrar o quanto os “espirituais” contemporâneos têm sido ineptos no tocante às questões básicas. Todo crente que abre a sua bíblia e à-estuda absorvendo dela os seus ensinos, é um teólogo (teólogo judaico-cristão).

Toda teologia por mais que seja lúcida, traz consigo pressupostos racionais. Lembrando que quando saímos das águas batismais, o nosso cérebro veio conosco; o antagonismo criado entre Fé e Razão é falso! São complementares e não excludentes. Isto é uma inferência muito mal intencionada.

Pra ser um teólogo “bíblico”, não há necessidade de frequentar uma academia; e se for obrigatório por ser um docente, faça, “examinando tudo e retendo o bem.”

Os "sermões flutuantes" estão em todo lugar; os músicos são os donos da festa, são eles os responsáveis pela emoção da platéia.

Costumo dizer que: “Ninguém é salvo por ser um estudioso bíblico, mas todo salvo é por natureza sedento por conhecimento.” Por incrível que pareça temos cristãos que detestam a palavra de Deus, e à substitui por jogos, novelas, e as mais diversas ofertas deste mundo; são perseguidores, nivelando-se à Diótrefes (lll João 3:9).

"Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus”
As riquezas de Deus, Paulo às-dividiu em duas partes:

>Sabedoria
>Ciência de Deus
Atributos inerentes à eLe.

“Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos"
Há também dois pontos que são impenetráveis:

>Juízos
>Caminhos
Provenientes de Deus, e revelado ao homem.

Deus não se explica!
Deus se revela!

"Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes que não sabes." Jeremias 33:3

Que Deus nos abençoe.

BIBLIOGRAFIA
Dicionário de Filosofia pág-961 - Nicola Abbagnano / Martins Fontes-SP-2007.
O Cristianismo Puro pág-24  - C. S. Lewis / Martins Fontes - SP-2007.

POSTS RELACIONADOS

0 comentários